CARACTERIZAÇÃO MORFOAGRONOMICA DE 14 ACESSOS DE MILHO TRADICIONAL DA REGIÃO DO ALTO SOLIMÕES, AMAZONAS

Conteúdo do artigo principal

Diones Lima de Souza
Danilo Fernandes da Silva Filho
Daniel Felipe de Oliveira Gentil

Resumo

O presente trabalho teve por objetivo avaliar e caracterizar variedades tradicionais de milho cultivadas por agricultores familiares da região do Alto Solimões, Amazonas. As amostras foram constituídas por sementes obtidas de plantas cultivadas por agricultores familiares do município de Benjamin Constant, Amazonas, totalizando 14 acessos de milho, oito variedades. A caracterização das variedades foi feitas de acordo com 42 descritores quali-quantitativos indicados pelo Internacional Plant Genetic Resources Institute - IPGRI (2000) e Teixeira e Costa (2010). Foi feita a análise de variância das características e complementada pelo teste de t (Studant), em nível de 5% de probabilidade, utilizando o programa computacional Genes. Os resultados revelaram a existência de variabilidade genética entre os 14 acessos avaliados, considerando os descritores associados à planta, à espiga e ao grão.  Foi constatado a partir da avaliação de 32 descritores da espécies, que as práticas de manejo empregadas pelos agricultores locais tem sido eficientes na manutenção de caracteres importantes, capazes de representar aspectos morfoagronômicos próprios dos acessos oriundos da Região do Alto Solimões. Portanto conclui-se que a caracterização morfoagronômica utilizadas neste estudo foi capaz de determinar a existência de variabilidade e caracteres importantes entre os acessos de milho do Alto Solimões.

Detalhes do artigo

Como Citar
Lima de Souza, D., Fernandes da Silva Filho, D. ., & Felipe de Oliveira Gentil, D. . (2023). CARACTERIZAÇÃO MORFOAGRONOMICA DE 14 ACESSOS DE MILHO TRADICIONAL DA REGIÃO DO ALTO SOLIMÕES, AMAZONAS. Igapó, 17(2). https://doi.org/10.31417/irecitecifam.v17.296
Seção
Artigos

Referências

Alvares, C. A.; et al., 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrisft, 22: 711-728.

Araújo, C.M.M. 2013. Análise genética em variedades crioulas de pimenta murupi (Capsicum chinense Jacq.) da Amazônia. Dissertação de Mestrado, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. 60p.

Araújo, P.M.; Nass, L.L. 2002. Caracterização e avaliação de populações de milho crioulo. Scientia Agricola, 3: 589–593.

Argenta, G.; Silva, P. R. F.; Sangoi, L. Arranjo de plantas em milho: análise do estado-da-arte. Ciência Rural, 31 (6): 1075-1084, 2001.

Brasil. 2003. Lei nº 10.711, de 5 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e da outra providencias. Presidência da República: Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, 13 de julho de 2003.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análises de sementes-RAS. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, 2009. 398pp.

Burle, M.L.; Oliveira, M.S.P. 2010. Manual de curadores de germoplasma Vegetal: Caracterização Morfológica. Documentos, 312. Brasília, DF: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. 16p.

Calle, D.A.C.; Noda, H.; Vieira, G. 2013. Conservação de Recursos Geneticos vegetais in situ em comunidades rurais amazônicas: o caso da Reserva Extrativista Rio Jutaí, AM. In: Noda, H.; Noda, S.N.; Laques, A.E.; Léna, P. Dinâmicas socioambientais na agricultura familiar na Amazônia. Wega. Manaus, Amazonas. p.149-174.

Clement, C.R.; Freitas, F.O.; Romão, R.L. 2015. As origens da agricultura na América do Sul. In: In: Veiga, R.F.A.; Queiróz, M.A. Recursos fitogenéticos: a base da agricultura sustentável no Brasil. Editora da UFV. p.30-38.

Coimbra, R.R.; Miranda, G.V.; Cruz, C.D.; Melo, A.V.; Eckert, F.R. 2010. Caracterização e divergência genética de populações de milho resgatadas do Sudeste de Minas Gerais. Revista Ciencia Agronomica, 41: 159–166. DOI: https://doi.org/10.5935/1806-6690.2010002.

Cortés, N.G.; Espino, H.S.; Cabral, J.C.E.; Muñoz, J.A.C.; Jiménez, L.T. 2016. Características y propiedades del maíz (Zea mays L.) criollo cultivado en guascalientes, México. Revista Mexicana de Ciencias Agrícolas, 7 (3): 669-680.

Costa, F.A.; Bittar, D.Y.; Silva, E.R. 2018. Caracteristicas morfológicas na cultura do milho adubado com nitrogênio em diferentes estádios fenológicos. Ipê Agronomic Journal. 2 (1): 4-13.

Costa, F.M.; Silva, N.C.A.; Vidal, R.; Veasey, E.A. 2020. Origen, domesticación y dispersión del maíz en las Américas. In: Silva, N.C.A.; Costa, F.M.; Vidal, R.; Veasey, E.A. (Org). Maíces de las tierras sajas de américa del sur y conservación de la agrobiodiversidad en Brasil y Uruguay. Atena. Ponta Grossa, Paraná, 2020. p.1-24.

Costa, G.G.; Albuquerque, J.H.A.; Sobral, S.D.C.; Nascimento, M.R.; Santos, P.R.; Melo, G.G.; Lobato, M.G.R.; Brito, K.S. 2021. Prospecção de variedades crioulas de milho para sistema de cultivo orgânico. Brazilian Journal of Development, 7 (9): 88815-88833. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-172.

Cruz, C.D. 2004. Programa genes: aplicativo computacional em genética e estatística versão Windows. Viçosa, Minas Gerais: UFV. 442pp.

Cunha Neto, V.F. 2017. Desenvolvimento e produtividade de cultivares de milho (Zea mays) em ambiente de várzea e estufa de cultivo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, Pará. 67pp.

Duraes, F.O.M. 1999. Prolificidade? Melhoramento do milho. Cultivar. Embrapa. Disponível em: https://www.ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/40407/1/Prolificidade-habilidade.pdf. Acesso em 12 de março de 2022.

Ferreira P.V. 1991. Estatística experimental aplicada à Agronomia. Maceió: EDUFAL, 437pp.

Food and Agriculture Organization of the United Nations International - FAO. 2002. The role of women in the conservation of the genetic resources of maize. Plant Genetic Resources Institute, http://www.fao.org/3/y3841e/y3841e04.htm#TopOfPage. Acesso em 15 de setembro de 2019. Rome, Guatemala.

Freitas, F.O. 2001. Estudo genético-evolutivo de amostras modernas e arqueológicas de milho (Zea mays, L.) e feijão (Phaseolus vulgaris, L.). Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, São Paulo. 144pp.

Gomes, F.S.; Santos, R.A.; Magalhães, D.B.; Bebé, F.V. 2019. Características de crescimento e desenvolvimento do milho crioulo com diferentes adubações orgânicas. Cadernos de Ciências. Agrárias, 11: 1-8.

IPGRI - International Plant Genetic Resources Institute. 2000. Descritores para o milho. International Maize and Wheat Improvement Center. Rome: IPGRI: 46pp.

Lago, M.C. 2019. Percepções sobre as mudanças climáticas na Amazônia em comunidades Ticuna das terras indígenas Éware I e Éware II, Alto Solimões-AM. Dissertação de Mestrado Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, Amazonas. 95pp.

Leão, J.M. 2018. Conservação de variedades locais de melão caboclo (Cucumis melo Linnaeus) por agricultores familiares da Amazônia Ocidental. Dissertação de Mestrado Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, Amazonas. 62pp.

Machado, A.T.; Santilli, J.; Magalhães, R. 2008. A agrobiodiversidade com enfoque agroecológico: implicações conceituais e juridicas. Brasilia, Distrito Federal. Embrapa Informações Tecnológica. 98pp.

Magalhães, P.C.; Durães, F.O.M.; Carneiro, N.P.; Paiva, E. 2002. Fisiologia do Milho. Circular Técnica, 22. Sete Lagoas, Minas Gerais. Embrapa Milho e Sorgo. 23pp.

Martins, A.L.U. 2016. Conservação da agrobiodiversidade: saberes e estratégias da agricultura familiar na Amazônia. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, Amazonas. 215pp.

Noda, H.; et al. 2013b. Etnoecologia de paisagens agrícolas nas várzeas na Região do Alto Solimões. In: Noda, H.; Noda, S.N.; Laques, A.E.; Léna, P. Dinâmicas socioambientais na agricultura familiar na Amazônia. Wega. Manaus, Amazonas. p.105-122.

Noda, H.; et al. 2013a. Sistema de conservação e melhoramento genético in situ por populações tradicionais do Alto Solimões, AM. In: Noda, H.; Noda, S.N.; Laques, A.E.; Léna, P. Dinâmicas socioambientais na agricultura familiar na Amazônia. Wega. Manaus, Amazonas. p.175-212

Oliveira, I.J.; Fontes, J.R.A.; Barreto, J.F.; Pinheiro, J.O.C. 2018. Recomendações técnicas para o cultivo do milho no Amazonas. Embrapa. Circular Técnica, 68. Manaus, Amazonas. Embrapa Amazônia Ocidental. 28p. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/183368/1/12018-Final.pdf. Acesso em 10 de novembro de 2019

Paes, M.C.D; Brito, E.S. 2016. Perfil de antocianinas de acessos de genótipos de milho de grãos coloridos. In: XXXI Congresso Nacional de Milho e Sorgo: milho e sorgo: inovações, mercado e segurança alimentar. Bento Gonçalves, RS, 2016.

Rodríguez, C.P.; Dávila, M.A.G.; Cortés, N.M. 2016. Caracterización de maíz procedente del departamento del Magdalena, Colombia. Revista Corpoica Ciencia y Tecnología Agropecuaria, 17 (2): 167-190. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-70542005000100004.

Sabato, E.O.; Fernandes, F.T. 2014. Doenças do Milho. Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF). Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/107246/1/Doencas-do-milho.pdf. Embrapa Milho e Sorgo, Sete Lagoas, MG, p.1-26. Acesso em 13 de julho de 2020.

Salomão, A.N. 2010. Manual de curadores de germoplasma – vegetal: Glossário. Documentos, 326. Brasília, DF: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

Santonieri, L.; Bustamante, P.G. 2016. Conservação ex situ e on farm de recursos genéticos: desafios para promover sinergias e complementaridades. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: Ciencias Humanas, 11 (3): 677–690. DOI: https://doi.org/10.1590/1981.81222016000300008.

Saraiva, E.A.; Guimarães, A.G.;, Oliveira, J.R.; Silva, N.O.; Oliveira, L.L.; Campos, A.A.A.; Moreira, L.C.; Costa, M.R. 2019. Desempenho agronômico de variedades de milhos crioulos cultivados no Vale do Jequitinhonha. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, 9 (2): 33-43.

SBCS. 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Revista e ampliada, 5th ed. Embrapa Solos, Brasília, DF. 355pp.

Seledes, R.M.; Ogliari, J.B.; Melhorança, E.A.L.; Souza, R.; Oliveira, W.B.S. 2019. Caracterização fenotípica de milho-pipoca conservado in situ-on farm no Extremo Oeste de Santa Catarina. Agropecuária Catarinense, 32 (3): 56-61. DOI: http://dx.doi.org/10.22491/RAC.2019.v32n3.7.

Silveira, D.C. et al. 2015. Caracterização agromofologica de variedades de milho crioulo (Zea mays L.) Na região noroeste do Rio Grande do Sul. Revista Ciência e Tecnologia, 1 (1): 01–11.

Souza, E.J.; Cunha, F.F.; Magalhães, F.F.; Silva, T.R.; Santos, O.F. 2016. Características da espiga do milho doce produzido sob diferentes lâminas de irrigação e doses nitrogenadas. Revista Engenharia na Agricultura, 24 (1): 50-62. DOI: https://doi.org/10.13083/reveng.v24i1.617.

Teixeira, F.F.; Costa, F.M. 2010. Catacterização de Recursos Genéticos de Milho. Comunicado Técnico, 185. Sete Lagoas, Minas Gerais. Embrapa Milho e Sorgo. 10pp.

Teixeira, F.F.; Gama, E.E.G.; Paes, M.C.D.; Costa, F.M. 2009. Aspectos agronômicos e de qualidade de espiga em famílias endogâmicas de milho doce. Circular Técnica, 121. Sete Lagoas, Minas Gerais. Embrapa Milho e Sorgo. 06pp

Valentini, L.; Ferreira, J.M.; Oliveira, L.A.A.; Andrade, W.E.B.; Shimoya, A.; Costa, C.C.S. 2018. Caracterização de variedade crioula de milho, sob cultivo orgânico, no município de Campos dos Goytacazes – RJ. Informação Tecnológica On Line. 129pp. Pesagro-Rio.

Valenzuela, J.V.C.; Bolaños, H.J.A.; Gualoto, M.M.P.; Chávez, J.D.C.; Vizuete, D.R.S. 2019. Caracterización morfológica y agronómica de dos genotipos de maíz (Zea mays L.) en la zona media de la Parroquia Malchinguí. ACI Avances en Ciencias e Ingenierías. 11 (17): 40-49. DOI: http://dx.doi.org/10.18272/aci.v11i1.1091.

Veiga, R.F.A.; Barbosa, W.; Tombolato, A.F.C.; Valls, J.F.M. 2012. Bancos de Germoplasma: importância e organização. In: Costa, A.M.; Spehar, C.R.; Sereno, J.R.B. Conservação de recursos genéticos no Brasil. Embrapa. Brasília. P. 104-124.

Vieira, M.A.; Camargo, M.K.; Daros, E.; Zagonel, J.; Koehler, H.S. 2010. Cultivares de milho e população de plantas que afetam a produtividade de espigas verdes. Acta Scientiarum. Agronomy. 32 (1): 81-86. DOI: 10.4025/actasciagron.v32i1.987.

Weismann, M. 2008. Fases de desenvolvimento da cultura do milho. In: Tecnologia e produção: milho safrinha e culturas de inverno. 4a ed. Fundação MS. p.31–38. Disponivel em: http://www.atividaderural.com.br/artigos/4fb3e56aa8c56.pdf. Acesso em 13 de março de 2022.

Wordell Filho, J.A.; Ribeiro, L. do P. ; Chiaradia, L.A.; Madalóz, J. C.; Nesi, C.N. 2016. Pragas e doenças do milho: diagnose, danos e estratégias de manejo. Boletim Técnico, 170. Epagri. 82p.